Image

MALALA ANDRIALAVIDRAZANA

11.09 — 30.11.2020

image

Com base numa extensa prática de recolha, que oferece a oportunidade de olhar para a história de forma a ultrapassá-la, a série Figures parece uma exumação de legados pictóricos. Abrangendo uma ampla gama de símbolos e processos de representação, expandindo-se desde valores numéricos a movimentos no tempo e no espaço, e incluindo personalidades influentes e icónicas em paralelo com rostos de homens e mulheres comuns, cujos papéis, condições e destinos foram subestimados no contexto global. O corpo de trabalho tenta principal- mente criar um terreno comum para diálogos e para aumentar a consciencialização a diferentes níveis.

Normalmente exibidas em fotomontagens de larga escala, as obras são feitas de materiais de arquivo do final do século XVIII até aos dias de hoje, veiculadas de mão em mão, de uma geração ou de um continente para outro. Fascinantes tanto pelo peso histórico quanto pelos absurdos, elas informam sobre o desvio político, manipulação intelectual, sistemas de privilégios e domínio entre géneros, cores, classes ou nações e suposições profundamente arraigadas que levaram a normas culturais, estereótipos e preconceitos tendenciosos, e avanços económicos, industriais ou tecnológicos que causaram mais tragédias do que justiça.

Cada composição começa com um mapa desatualizado de uma época passada, quando as representações do mundo costumavam refletir conhecimento inadequado ou impreciso para formar a base de novos imaginários e narrativas reinventadas. Os territórios e as fronteiras são preservados com um propósito: a demonstração de mu- danças territoriais revela as falsidades como elementos da propaganda de conquista.

Figures combina e mistura produções visuais da globalização, extraídas de no- tas, selos, capas de álbuns e gravuras, com questões contemporâneas prevalecentes, e com muito respeito pela diversidade de identidades e dos ambientes naturais. Ao redirecionar os seus propósitos iniciais por meio de uma sucessão de processos de desconstrução e reconstrução, individual- mente e em unidade, os trabalhos resultantes expressam tensões em multicamadas, preenchidas com um senso de dinâmica entre transferências de conhecimento e mu- danças de poder. Refletindo radicalmente diferentes opiniões sobre as condições de vida, elas incentivam a várias leituras sobre como olhar o mundo repetidamente, com uma esperança altamente diferenciada.

Sinais comuns, símbolos específicos ou ícones emblemáticos de vários mitos, regiões e religiões, tradições, sonhos modernos, realidades híbridas, pássaros migrantes, espécies ameaçadas de extinção e muito mais, são cuidadosamente combinados para além dos territórios. Inspirado pelo instinto nómada da humanidade de enfrentar o desconhecido corajosamente - e isso é particularmente visível antes dos estados-nação terem sido divididos por fronteiras geográficas -, o tratamento e a construção de superfícies marítimas estão relacionados com a situação das zonas francas. Essa abordagem permite o foco em ligações transculturais, paralelos e contradições, perspetivas não convencionais e até circulações aleatórias no espaço e no tempo. No entanto, a sensibilidade permanece crucial em tais assembleias de referências culturais, e o acidente não pode ser uma opção.

Exposições Anteriores
+ Mesa dos sonhos: Duas coleções de arte contemporânea

Ver mais

+ Plague Vector

Ver mais

+ Síntese Ativa

Ver mais

+ Oliver Laric — Walking Sideways

Ver mais

+ Corpo, abstracção e linguagem na Arte Portuguesa

Ver mais

+ Comedores de Rosas, ides beber da Lua!

Ver mais

+ The anthropologist in me

Ver mais